A sociedade contemporânea tem aprendido, às vezes a duras penas, a vida em coletividade. Não é fácil, nos grande centros, especialmente, de uma forma ou de outra a vida em condomínios é uma realidade vivida por grande número de pessoas.

Temos condomínios residenciais de edifícios, de casas, de lotes, empresariais, virtuais, clínicas, enfim, uma variedade grande de possibilidades e de desafios de cada contexto também.

A palavra condomínio indica o domínio de mais de uma pessoa simultaneamente de um determinado bem, ou partes de um bem.

Por quê pensar em Mediação Condominial?

Geralmente os conflitos em ambientes condominiais geram desconforto para as pessoas envolvidas, uma vez que cada uma dessas pessoas é também detentora de um direito sobre aquele bem e a sensação de injustiça paira sobre os envolvidos.

Até há bem pouco tempo atrás nosso modo de resolver os conflitos condominiais era buscar de forma intuitiva uma conversa (sem muitos recursos), ou buscar a figura do síndico para intermediar (que também não é a pessoa adequada para isso) ou, caso o conflito atinja um nível de litigiosidade maior, uma ação judicial (que é demorada e piora ainda mais a convivência).

A mediação de conflitos é uma realidade no país, estando prevista no Novo Código de Processo Civil e possuindo legislação própria, a Lei 13.140/2015. Assim como em outros contexto, a mediação condominial também é hoje uma opção bastante vantajosa para as questões condominiais.

E não só a mediação condominial propriamente dita, mas suas ferramentas também podem ser de grande valia para administradoras de condomínios, síndicos profissionais ou orgânicos ou qualquer condômino interessado.

É possível pensar num mapeamento das questões específicas de cada condomínio e planejar ações para a resolução de conflitos, desde a escuta e encaminhamento de questões até mediações restaurativas em casos onde haja alguma reparação de dano.

As Assembleias também podem ser planejadas de forma a garantir a participação democrática dos condôminos com respeito, gestão do tempo, organização dos pleitos e temas.

O grande tema nos espaços de convivência é geralmente a comunicação e são muitas as formas de aperfeiçoar a comunicação, tornando-a mais eficaz, convidando as pessoas a interagir de forma mais pacífica e respeitosa.
Se quiser saber mais e pensar num projeto customizado para seu condomínio, entre em contato conosco.

Juliana Polloni – Mediadora da Target

Veja também: Mediação Escolar